sábado, novembro 12, 2011

DE PEQUENOS E GRANDES CORRUPTOS

Esta semana, duas notícias pareceram mostrar que, apesar de tudo, o Brasil está melhorando. A primeira foi a retomada ordeira e sem incidentes, pela polícia, da reitoria da USP, que havia sido invadida e vandalizada por um bando de bebês mimados com saudades da época da ditadura militar. A segunda foi a ocupação, também pela polícia, da favela da Rocinha, a maior do Rio de Janeiro, onde vigorava há décadas a lei do narcotráfico. No plano internacional, outra boa nova foi a eliminação na Colômbia, pelas forças da ordem, de Alfonso Cano, comandante dos narcobandoleiros das FARC, que há mais de quarenta anos enlutecem o país vizinho e exportam drogas e violência para o resto do continente.

Os três fatos estão intimamente relacionados. Os vândalos da USP foram desalojados na operação de reintegração de posse porque - vamos relembrar - queriam a PM fora do câmpus, depois que três maconheiros foram flagrados no local. A mesma "causa" movia os traficantes da Rocinha no Rio, a começar por Nem, o chefe do narcotráfico na favela, preso alguns dias antes da retomada do morro pela polícia. As FARC, nem é preciso lembrar, vivem da exploração de drogas como a cocaína, que exportam para os morros cariocas (diga-se de passagem, ainda não vi, e espero ver um dia, um traficante das FARC ser preso no Brasil, ao invés de receber proteção do governo como "refugiado político", como aquele ex-padre de Brasília). Nos três casos, enfim, uma derrota do banditismo e uma vitória da lei e da democracia.

Das três notícias, a expulsão dos baderneiros da reitoria da USP tem um significado especial. O fato pode significar o começo de uma revolução mental nas universidades brasileiras. Assim como, pela primeira vez em trinta anos, os moradores da Rocinha podem respirar aliviados após a expulsão dos traficantes, e a população colombiana vislumbra a possibilidade de viver em paz sem as bombas e assassinatos dos facínoras das FARC, os estudantes da USP - falo de estudantes de verdade, que estudam, e não dos que estão lá somente para fazer politicagem e fumar maconha - têm a chance, também pela primeira vez em décadas, de se livrarem do jugo ideológico de grupelhos sectários, tão minoritários quanto barulhentos, que seqüestraram a universidade e tranformaram os estudantes em reféns de suas ideologias falidas e totalitárias. Têm a oportunidade, enfim, de retomar a universidade, permitindo que ela exerça o papel para o qual foi criada, que é o de produzir conhecimento. O exemplo poderia frutificar, espalhando-se para as demais universidades. Não seria pouca coisa.

Os grupos que patrocinaram a baderna no câmpus da USP, claro, não aceitarão isso de bom grado. Li que já estão ameaçando com uma greve no ano que vem - para variar, ano eleitoral. É mais um motivo para querer esse pessoal longe das universidades. Entra ano sai ano, e eles sempre dão um jeito de impor sua agenda político-partidária-eleitoral-revolucionária-maconhista sobre os 90% que não compartilham de seus "ideais". Em todas essas situações, deixam claro seu ódio à liberdade e ao pensamento discordante.

Tive a oportunidade de sentir isso na própria pele, mais de uma vez. Em 1998, eu estava terminando o curso de História na Universidade Federal do Rio Grande do Norte quando houve mais uma greve que paralisou por meses a universidade. Assim como ocorreu antes, e ocorreria depois, sempre em ano eleitoral. Eu estava farto de perder aulas por conta das ambições eleitoreiras dos partidos de esquerda, como havia ocorrido em outras greves (eram sempre o PT e o PCdoB, mas havia gente também do PSTU e de outros partidecos de extrema-esquerda), e, embora ainda relutasse em abandonar totalmente minhas ilusões esquerdistas da adolescência, sinceramente não entendia como se poderia atingir o "inimigo" (ou seja, o governo, no caso, o de FHC) e defender uma educação pública, gratuita e de qualidade (era esse o principal bordão dos grevistas) impedindo os alunos de estudarem e passando cola super-bonder nas fechaduras das portas das salas de aula...

Resolvi, então, escrever um texto de protesto, que afixei nos murais dos corredores do setor onde eu tinha aula. Posso dizer, sem exagero, que aqueles textos não duravam cinco minutos, pois eram logo arrancados. Teve uma noite em que eu coloquei o mesmo texto no mesmo mural umas dez vezes: mal eu virava as costas, e uma mão invisível e agilíssima o arrancava, sem dar tempo sequer de alguém ler o que estava escrito. E assim foi por vários dias, até que a greve foi decretada numa assembléia que, desconfio, não reuniu nem 1% dos alunos...

A esse episódio juntou-se outro, em 2000, que já contei aqui. Eu já tinha me formado, e era professor substituto no mesmo curso em que me graduei. Outro ano eleitoral, outra greve. Sabendo dos resultados funestos que mais uma paralisação teria para os alunos, resolvi submeter a decisão de aderir ou não à greve à uma votação nas duas turmas para as quais eu lecionava. Uma delas aderiu ao movimento, decisão que respeitei. Outra, dele decidiu não participar, e continuar as aulas normalmente, o que também respeitei. Mas não foi a mesma a atitude de um pirquete de grevistas (alguns deles, nem estudantes eram), que, chegada a hora da aula, à noite, tentaram me intimidar, depois apagaram as luzes da sala. E falavam em democracia e em ensino público gratuito e de qualidade...

Eu poderia citar outros fatos, muitos, que revelam esse padrão nas universidades brasileiras. Lembro que, certo dia na década de 90, um grupo de militantes de esquerda (não sei se do PT ou do PSTU) tinha armado numa feira universitária um estande com material de propaganda defendendo o boicote ao ENEM, então uma proposta do governo FHC (eram tempos do "Fora FHC"). Tentei puxar conversa com um deles, perguntando por que estava contra a idéia, que me parecia bastante razoável. Ele balbuciou alguma coisa sobre neoliberalismo e privatização, e, vendo que eu não estava ali para assinar o manifesto que tinham feito, e que insistia na pergunta, mudou de conversa e se afastou. Hoje, o ENEM é uma bagunça, graças ao trabalho labrogeiro de Fernando Haddad, provavelmente o pior ministro da Educação que o Brasil já teve em todos os tempos (e que o PT quer ver como prefeito de SP em 2012, vade retro!). Mas, curiosamente, não vejo ninguém na esquerda defendendo um boicote.

O que está acima mostra o seguinte: o que chamam por aí de "movimento estudantil" não existe, é uma palhaçada, feita por e para partidos de esquerda ou extrema-esquerda sem qualquer compromisso com a educação e com os estudantes. Pior: sem nenhum compromisso - nenhum mesmo! - com qualquer coisa que se pareça com democracia e com ética. Assim como os narcotraficantes da Rocinha e os terroristas das FARC, os bichos-grilos fashion da USP estão se lixando para tudo isso, e querem apenas se locupletar. Aí está a União Nacional dos Estudantes Amestrados (UNEA, ex-UNE) para provar.

Digam-me, com toda sinceridade: que diferença existe entre os baderneiros da USP e os petralhas que assaltam os cofres públicos? Qual a diferença entre esses mimadinhos e Orlando Silva ou Carlos Lupi? Eu respondo: NENHUMA! Assim como os ministros corruptos de hoje, os revolucionários pequeno-burgueses da USP vivem de ideologia vagabunda e de parasitar o erário. E que diferença há entre os arruaceiros que invadiram a reitoria e Nem da Rocinha? Tirando o fato de que este último andava armado e mandava incinerar desafetos, nenhuma diferença: tanto um como outro odeiam a polícia e defendem suas bocas-de-fumo. Enfim, são todos feitos da mesma lama (para não dizer outra coisa).

Os "revolucionários by GAP" e de óculos de 500 reais que vivem da mesada do papai são os orlandos silvas e os carlos lupis de amanhã. Aprendem, num movimento que conta com a cumplicidade de alguns professores e jornalistas ideologicamente comprometidos ou carentes de coragem para afrontar o politicamente correto, a arte da corrupção e da impunidade. Não é por acaso que a UNE tenha virado uma correia de transmissão do Palácio do Planalto, e que seus dirigentes sejam oriundos de partidos como o PCdoB. Entre os delinqüentes da USP está, provavelmente, um futuro ministro de Estado.

2 comentários:

Anônimo disse...

boas noticias?

a guerra as drogas é só mais um pretexto para tirar as liberdades individuais e fomentar o pão e circo.

no brasil a quesyão de segurança esta diretamente relacionada à isto.

Mas poderia ser outra coisa, poderiam ser guerrilheiros em vez de traficantes ou mesmo apenas estudantes maconheiros.

o "comunismo" é o culpado de tudo mesmo...

Bruno disse...

Um dos textos mais bem escritos e claros que li.
O que tu relata ai sinto a mesma coisa aqui na UFSC.
Os maconheiros que não querem estudar e torram a paciência dos que querem se escondendo por trás dos discurso da esquerda.