quarta-feira, dezembro 11, 2013

UMA CONFISSÃO ASSUSTADORA

Não crianças, esse senhor no video acima não está cantando uma canção de ninar...


Recebi um comentário muito curioso e revelador do Giovane Martins, o rapaz que acha que sou um ressentido/ofendido/vingativo/contra-todo-mundo-o-tempo-todo porque citei aqui alguns fatos pouco lembrados sobre Nelson Mandela, o novo santo dos politicamente corretos. Ele - mais uma vez! - não rebate nada que escrevi, mas mesmo assim se acha no direito de postar em minha area de comentários. E ainda faz uma revelação estarrecedora sobre si mesmo.
 
Pensei em não publicar, em parte porque não merece resposta, como tudo que ele escreveu, e em parte por piedade. Sim, piedade. Afinal, o Mandela-boy mostra em seu comentário um lado bastante funesto de sua personalidade. Ele praticamente confessa não estar nem aí para coisas como paz, liberdade, democracia e direitos humanos (e isso porque ele se diz uma pessoa muito sensível, uma boa alma, o moço...). Fico compadecido diante de quem se detona dessa maneira. Mas acho que vale a pena responder, para mostrar o nível de certos pseudo-filósofos da internet. 
 
Não é todo dia que alguém escreve algo tão desabonador sobre si mesmo. Para azar do Giovane, eu prestei atenção ao que ele disse. Vamos lá.
 
Gustavo,

Você parece escrever partindo do princípio de que seus leitores não sabem história. Eu não. Todo mundo sabe da história do Mandela, e eu nunca a neguei. Meu texto não analisa isso.
 
Não sei quanto a quem lê o blog, mas a maioria ignora História, sim. Sobretudo a história da África do Sul (a de Mandela então, nem se fala). Basta ver a mistificação em torno da figura do "pai da nação sul-africana", que os textos do rapaz apenas reforçam.
 
Querem exemplos? Vamos lá, didaticamente:

- Quantos que estão entoando cânticos de louvor ao "pacifista" Mandela sabem que ele foi comandante de uma organização terrorista?
 
- Quantos sabem que foi pelo motivo acima, e não "por se opor ao apartheid", que ele foi preso e condenado? 

- Quantos sabem de atentados como o de Church Street? 

- Quantos sabem dos milhares de assassinatos cometidos pelo CNA contra brancos e negros?

- Quantos sabem o que era necklacing?
 
- Quantos sabem que o "democrata" Mandela era amigo de tiranos (e aplaudia tiranias)?
 
- Quantos sabem que ele foi comunista?
 
- Quantos sabem que o CNA virou uma máfia, e que os herdeiros de Mandela, como o estuprador Jacob Zuma, são bandidos?
 
- Quantos sabem que a desigualdade social na África do Sul só aumentou depois do fim do apartheid? (e não, não estou defendendo o regime do apartheid, por favor...)
 
Enfim, quantos conhecem os fatos acima? (um artigo interessante é esse aqui: http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=1758)
 
Giovane, pelo que ele mesmo diz, não está nessa categoria. Pelo contrário: ele diz que não nega a história do Mandela. E AQUI ESTÁ A PARTE MAIS ESCANDALOSA DO QUE ELE ESCREVEU. Se ignorasse os fatos sobre a vida de Mandela, ou se os negasse, seria melhor para ele, ele sairia melhor na fita. O problema é que o sujeito confessa que sabe dos fatos e NÃO SE IMPORTA. Como ele mesmo disse no primeiro texto: "Pouco me importa se o ex-presidente da África do Sul foi amigo do Fidel Castro, se os políticos que o sucederam fracassaram ou não, ou se o CNA (Congresso Nacional Africano) tornou-se uma máfia." Lembra disso, Giovane? Foi você que escreveu.
 
Ou seja: o camarada conhece as atrocidades do CNA, as relações de Mandela com ditadores assassinos, sua filiação ao comunismo, seu legado desastroso... e não dá a minima! Vê as pessoas louvando Mandela como um pacifista e um democrata, sabe que isso não é verdade, mas está se lixando!

Confesso que poucas vezes vi alguém se rebaixar desse jeito. É assustador!

Devo deduzir, das palavras acima, que o problema do moço é pior do que eu imaginava. Se ele desconhecesse os fatos que citei, teria pelo menos uma desculpa. Poderia alegar ignorância. Como não é o caso, não tem esse álibi.
 
Meu texto analisa quem procura se colocar contra a sociedade o tempo todo, mostrando uma atitude infantil de quem precisa chamar a atenção. Mais do que infantil, é, sim, uma atitude ressentida diante da sociedade e uma atitude de autoafirmação. Por que ficar contra todo mundo o tempo todo?

Que curioso. Eu achava que tinha escrito um texto sobre o Mandela, mas Giovane parece estar mais preocupado com minhas "intenções"... (eu, heim? da última vez que me perguntaram isso engatei um namoro sério...) Só isso para explicar essa lengalenga de ter escrito um texto (em que cita um texto meu) para "analisar" quem fica "contra a sociedade o tempo todo" etc. 

Então  lembrar fatos ignorados pela maioria e denunciar um culto da personalidade é "ficar contra a sociedade o tempo todo"? Isso é mostrar "uma atitude infantil de quem precisa chamar a atenção"? É ter "uma atitude ressentida diante da sociedade"? uma "atitude de autoafirmação"? Pensei que estava apenas lembrando fatos. Historiadores e biógrafos, portanto, são todos ressentidos e attention-seekers...

Outra coisa: quem está "contra todo mundo o tempo todo"? Não sou niilista. Defendo, sim, o que a maioria, infelizmente, despreza ou desconhece, e faço isso com base em fatos e argumentos (para os quais o jovem está se lixando). E o faço por amor à VERDADE (o que ele também despreza, como admite). Nietzsche (que está longe de ser meu filósofo favorito) dizia que somente sabe admirar quem sabe desprezar. Desprezo cultos à personalidade porque admiro e prezo a inteligência (Giovane, pelo que escreveu, pensa exatamente o oposto). Isso é "ficar contra todo mundo o tempo todo"? 

Em seguida, o pobre rapaz repete que está cantando e andando para a História. E defende uma teoria no mínimo curiosa:
 
Por este motivo, não vou refutar o que você diz, pois eu já conheço a história do Mandela. E sei que quem "endeusa" o Mandela como você diz, procura seguir o exemplo bom dele. O lado ruim que se foda, todo mundo já conhece e todo mundo sabe que foi um erro. É muito difícil, pra você, entender isso?
 
OK, Giovane. Já percebi que você não vai refutar nada que eu escrevi. Já vi que você não se dá bem com os fatos e a lógica. Já conhece a história e não dá a mínima para ela... Tanto que não vê nenhum problema em endeusar (sem aspas) um personagem politico desdenhando fatos pouco edificantes de sua biografia. Devo deduzir, então, que, como os devotos de Santo Mandela só enxergam o lado bom dele, e que o lado ruim que se foda, eu poderia seguir esse exemplo e só enxergar o "lado bom" de figuras como Hitler ou Stálin, já que eles também teriam tido um "lado bom"... Sim, porque fodam-se os fatos, como você disse. E vejam que Mandela tinha sim, virtudes, que não nego. Mas desprezar fatos pouco convenientes em nome de um culto da personalidade me parece coisa de gente deslumbrada e descerebrada. E pedir que se aceite isso é algo difícil de entender. Difícil, não: impossível. 
 
Por favor, não me diga para refutar fatos. Eu já te expliquei a mesma coisa várias vezes e é só isso que você soube responder. O próprio texto que você postou agora, diz a mesma coisa o tempo inteiro, ler ele [SIC] foi um tédio. Não fique agindo como um burro, por favor.
 
terça-feira, 10 de dezembro de 2013 10:47:00 BRT
 
Meu caro, quando se escreve um texto sobre um personagem público (ou sobre qualquer outro assunto), o mínimo que se espera é que tal análise se baseie em fatos. Mas OK, já que Giovane não se dá bem com fatos, e que acha que lembrar fatos é coisa de gente burra, gostaria de saber por que se meteu a escrever sobre esse assunto. Sim, pois o assunto é Mandela, certo? Pelo menos esse é o tema de meus textos. O rapaz me citou, e somente por isso respondi. E lhe desafiei a refutar o que escrevi. Sim, sei que isso é um tédio. Fatos são tediosos. Mais divertido é mandar o senso crítico às favas e seguir a onda de oba-oba necrofílica. Ignorance is a bliss, como se diz por aí. Mas estou em outra. Prefiro pensar. 
 
ExcluirEu ia pedir para o tal do Giovane deixar de agir como um idiota. Mas desconfio que seria inútil. Quem não liga para a verdade não merece sequer esse tipo de conselho. Nem merece mais atenção.
---
P.S.: Em tempo: quem estava ontem na cerimônia em homenagem a Mandela era alguém que também procura seguir somente o lado bom dele, sem dar bola para outros fatos menos luminosos de sua vida. Estou falando de Raúl Castro, o hermano-en-jefe da ilha-prisão de Cuba. Ele também quer que os fatos se fodam. Não somente os fatos, mas o povo que ele tiraniza há mais de cinco décadas juntamente com o irmão, outro amigão do peito de Mandela. Eles querem todos que a História se foda. Mas, para o azar deles, estou aqui para defendê-la.

6 comentários:

David disse...

Caro Gustavo.
Não acompanhei os discursos da tal cerimonia ecumênica do funeral do Mandela. Pela lavra das figuras, sabia que não falariam coisa com coisa. Fico sabendo agora que os discursos foram perfeitamente traduzidos para a linguagem de sinais:
http://veja.abril.com.br/blog/ricardo-setti/vasto-mundo/vejam-que-absurdo-interprete-para-surdos-no-funeral-de-mandela-era-farsante/
Os que falam a língua de sinais estão bravos por não terem entendido nada por que o tradutor, dizem, deve ser um farsante. Só pode ser uma piada pronta.

Abraço.

Gustavo disse...

Caro David,

Também não acompanhei os discursos, por falta de estômago. Aguentar Jacob Zuma, Barack Obama, Raúl Castro e Dilma Rousseff falando sobre Mandela no mesmo dia é dose pra elefante...
Quanto ao falso intérprete de sinais, ele foi o menor dos farsantes ali presente.
Aliás, nada mais adequado a um evento fake como esses, assim como ao homenageado. Abs

David disse...

Caro Gustavo,
Conforme eu imaginava, o falso intérprete se defende: http://veja.abril.com.br/noticia/internacional/falso-interprete-do-funeral-de-mandela-se-defende
Pobre coitado (risos), culpam-no por não terem entendido sua tradução dos discursos. Não entenderam a tradução literal!? Talvez o discurso não faça sentido em língua alguma. Confesso que quando vi a reportagem, lembrei dos discursos de nossa presidente. Pensei; para verter o palavrório da chefe para libras, até o "bunecão do posto" serve. Comecei a rir loucamente. Talvez este seria um caso a ser analisado pelo Celso Arnaldo.

Grande abraço.

Gustavo disse...

Pelo menos no caso do Raúl Castro não precisaria ser intérprete para facilmente traduzir em sinais o discurso: bastaria imitar com as mãos o gesto de fuzilar alguém. Mandela, lá do túmulo, certamente aplaudiria, como aplaudiu em vida. E como aplaude o Giovânus.

João José Horta Nobre disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

Os brancos no vídeo cantando matem os brancos deveriam ser chicoteados até desmaiar para criarem vergonha na cara. Capachos FDP.